Por: Jornal Sul Brasil | 26/04/2020

O Brasil é o quarto País do mundo com o maior número de acidentes de trabalho. Chega a ter, em média, de 500 a 550 mil registrados por ano. Em torno de 10% a 15% são relacionados a doenças ocupacionais. Os dados são apresentados pelo médico do trabalho, Dr. Paulo Fett, responsável pela Saúde Ocupacional da Unimed Chapecó. As estatísticas ganham evidência neste mês marcado pelo movimento Abril Verde – Mês de Conscientização à Prevenção de Acidentes de Trabalho.

O uso de EPI’s é uma das formas mais eficazes de prevenção dos acidentes de trabalho. Em meio à pandemia do novo Coronavírus, nunca se falou tanto em proteção individual e uso desses equipamentos nas empresas. Dr. Paulo salienta que a percepção dos riscos está em evidência devido ao atual cenário, mas que é importante lembrar que os acidentes de trabalho podem ocorrer em qualquer setor.

“Nesse mês, em meio à pandemia, falar sobre essa questão de risco e sobre a questão de prevenção de acidentes é algo que fica muito em voga. É importante que os trabalhadores entendam que por menor que possa parecer o risco, fazer o uso dos equipamentos de segurança, seguir as recomendações de treinamento, são primordiais para evitar danos à saúde e integridade física”, destaca.

Segundo o médico, não existe atividade de trabalho que não apresente nenhum tipo de risco. O que difere entre as áreas são a intensidade do risco e as condições do mesmo, que podem ser químicos, físicos, biológicos, de acidentes, ergonômicos ou psicossociais. “Setores de agroindústria, por exemplo, muito relevantes na nossa região, possuem os seus riscos específicos, relacionados principalmente a ergonomia, ruídos ou a acidentes típicos, como cortes. As atividades comerciais, por sua vez, também podem ter os seus riscos. Muito se fala atualmente sobre os riscos psicossociais, que podem gerar uma gama de sintomas ou mesmo adoecimentos”, pontua Dr. Paulo.

O especialista analisa que a conscientização que ocorre atualmente em função do novo Coronavírus traz uma oportunidade de a população estar ainda mais atenta para o uso dos equipamentos de proteção que sempre foi importante, mas agora está ainda mais evidente. Além disso, reforça que, junto aos EPI’s, outras medidas de proteção devem ser tomadas como, por exemplo, higienização das mãos, das superfícies, uso de máscaras, luvas, entre outros. 

Sapude Ocupacional

Segundo as normas regulamentadoras, empresas de grande porte devem contar com um Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) interno para gestão da saúde do trabalhador. No entanto, para as empresas de pequeno e médio porte, que não têm a obrigatoriedade desse serviço, a Unimed Chapecó disponibiliza o setor de Saúde Ocupacional.

Atualmente, o serviço é responsável por atender, aproximadamente, 9 mil clientes, totalizando 300 empresas com a oferta de serviços com alto nível de criticidade técnica, orientações nas ações a serem desenvolvidas, análise da necessidade do uso de EPI’s e atendimento com médicos especialistas. Todos os exames são realizados na estrutura do Hospital Unimed Chapecó – Saúde Ocupacional, Centro de Diagnóstico por Imagem e Laboratório. 

                                                                                     Texto: Andressa Oliveira Recchia/Unimed