Por: Quirino Ribeiro | 1 mês atrás

A Constituição Federal estava prestes a ser rasgada! E sabe por quem? Pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que tem por obrigação preservá-la. Sempre os mesmos. Na contramão do que se espera deles, Gilmar, Lewandowski, Tofolli, Moraes e Nunes Marques votaram permitindo a reeleição de Maia e Alcolumbre para presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente, em total afronta ao que diz o artigo 57 da Constituição Federal, que é muito claro em relação à inconstitucionalidade da questão. 

FELIZMENTE 

Os Demais ministros mudaram o rumo e evitaram tamanhas afronta e falta de compromisso com a Constituição e a sociedade. Chega do clube de amigos STF-Congresso. Os brasileiros estão fartos desses descalabros. Qualquer criança do ensino fundamental, que é de baixíssimo nível, não tem dúvida quanto à interpretação do artigo 57. O que Maia e Alcolumbre teriam de bom a oferecer ao Brasil? O deputado federal Rodrigo Maia, sentado em cima de vários projetos, inclusive da reforma tributária, depois da derrota, o que fará? Vai se deitar? A conferir.

O TEXTO CONSTITUCIONAL

Diz explicitamente que é vetada a reeleição das presidências do Congresso, conforme o resultado do julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal), que é o guardião da Constituição. Sem moral: Se os ministros do Supremo Tribunal Federal, ditos guardiães da Constituição Federal, a aviltam, desmoralizando nossa única Lei Maior, que moral tem para julgar qualquer outra pendência? Temos que mudar como escolher os ministros de notável saber jurídico, além de reputação ilibada!

ELEIÇÕES

Está explicado o porquê de eleições de dois em dois anos. É aquela farra com bilhões de reais dos fundos políticos, em um desperdício de recursos. O momento é delicado devido ao sorvedouro de dinheiro que é o coronavírus. A unificação, eleições de quatro em quatro anos, economiza bilhões de reais, mas a classe política, com apoio do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), abomina reduzir suas despesas.

E OS SALÁRIOS DOS POLÍTICOS?

Que dó! ‘Salários’ de nossos governantes não serão reajustados. Salário do prefeito de Outubro de 2020 conforme o Portal da Transparência, valor bruto R$ 27.790,29 líquidos retirados os descontos, R$ 18.666,91. Do vice-prefeito bruto R$ 16.023,10, liquido R$ 11.969,12, Dos vereadores R$ 11.669,00 e de cargos de confiança variam. Fora as mordomias. E o salário do trabalhador das áreas de Educação, Saúde, em média em torno de R$ 2.000,00. 

UM ANO DE DESAFIOS

Crise sanitária, crise econômica, crise social. O ano de 2020 ficará na história como um festival de dificuldades que assolou o Brasil e o mundo. Entramos no primeiro bimestre com expectativa de uma retomada lenta, gradual e segura do crescimento econômico, mas fomos abatidos antes da decolagem pelos efeitos nocivos da pandemia que já se instalava em vários países.

NESSE CENÁRIO

A agricultura e a agroindústria tiveram um papel essencial na manutenção da paz social. O setor adaptou processos e procedimentos para proteger seus trabalhadores e operar ininterruptamente. Garantiu o fornecimento regular de alimentos em todas as regiões, enquanto o Brasil entrava em lockdown. O extraordinário salto nas exportações de carnes, grãos, frutas e cereais não prejudicou o abastecimento interno. Esse desempenho comprova a competência e o caráter essencial da agricultura brasileira, pois, é notório que o caos se instala rapidamente onde não há abastecimento regular de alimentos.

A LONGA E COMPLEXA

Cadeia produtiva da carne em Santa Catarina – em especial, a avicultura e a suinocultura – foi uma das primeiras a se adaptar às novas exigências. Imensos esforços e investimentos foram despendidos nos estabelecimentos rurais e nas plantas frigoríficas, com destaque para milhões de reais gastos na maciça compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) e outros insumos de proteção à saúde.

NÃO HÁ DÚVIDAS QUE 2021

Será outro ano desafiador. A contribuição do agro ao desenvolvimento do País continuará em alta. As projeções da CNA indicam aumento de 3% do PIB do agronegócio (R$ 1,8 trilhão) e de 4,2% no VBP (R$ 941 bilhões), além de queda nos preços dos alimentos aos consumidores e maior demanda do mercado externo. A produção nacional de grãos atingirá 300 milhões toneladas (4,3% de aumento), um novo recorde. José Zeferino Pedrozo presidente da FAESC/SENAR – SC (Fonte: MB Comunicação Empresarial).

“Você pode trocar de opinião constantemente, a constituição Federal lhe assegura o direito ao contraditório”. (Laisson Amaral).