Por: Quirino Ribeiro | 11/12/2019

Sem reforma, estados e municípios ficarão inviabilizados economicamente para programarem seus projetos. Governadores e Prefeitos reafirmam seus propósitos de modernizar o Estado e os municípios, enxugar os custos da máquina pública, mesmo reconhecendo ser um pacote amargo que até hoje não passou perto dos planos de seus antecessores. A PEC da Reforma da Previdência que inclui estados e municípios é fundamental para o processo.

A PREVIDÊNCIA É UMA BOMBA-RELÓGIO

Prestes a causar danos irreversíveis para os próprios beneficiários, daí a necessidade de sua implementação. Boa parte dos municípios, já utiliza recursos do Tesouro para cobrir o rombo, fato que compromete a própria capacidade de investimento da Prefeitura, hoje às voltas com uma série de obras que precisam ser realizadas, mas barradas pela falta de recursos.

TRATA-SE DE UM REMÉDIO AMARGO

Mas que aponta para o comportamento dos próprios administradores, que, mesmo sabendo das consequências, pouco fizeram para mudar a situação. É pouco provável que deputados e senadores estendam a medida para os demais entes federados em decorrência das eleições de 2020. Embora somente alguns tenham planos de disputar prefeituras, a maioria entende que contrariar as ruas em momentos eleitorais pode repercutir no futuro, no caso, em 2022, quando o Congresso estará sob avaliação das urnas.

UM GRAVE EQUÍVOCO

Pois, com as redes sociais modulando diariamente a opinião pública, quando a situação se tornar irreversível, será possível apontar os que jogaram para a plateia e os que, pensando no futuro, tentaram mudar os modelos previdenciários.

CORTAR BENEFÍCIOS NÃO É ALGO SIMPLES

Bastando ver os conflitos pelo mundo afora, especialmente na França, em que a previdência também é o gargalo do governo Macron. O presidente francês vive dias difíceis ao tentar recompor a economia e não se sabe até quando irá suportar a pressão de todos os sábados dos coletes amarelos. Esse é o novo mundo.

MÍDIA BRASILEIRA

Uma mídia correta, verdadeira e eficiente é de extrema importância para o país, e este, por sua vez, deve ser um alicerce de sustentação publicitária para o bem da imprensa e, por outro lado, ela ser um meio de verdadeira informação aos cidadãos, seus leitores ou telespectadores. Por que no Brasil isto não funciona? Interesses políticos? Financeiros?

GOVERNADOR DO OESTE

Governador Carlos Moisés anunciou mais de R$ 31 milhões de investimentos para Serra e Oeste catarinense, depois de passar por Chapecó, Concórdia e Campos Novos no último final de semana. Liberação de 360 equipamentos agrícolas, compromisso para entrega de kits de transposição, liberação de recursos do projeto Recuperar e crédito para a expansão de uma granja de suínos, totalizando mais R$ 31 milhões em investimentos.

AGROCONSCIENTE

“Quem trabalha no campo não tem sábado, não tem domingo, não tem férias. Nós estamos aqui para honrar quem produz e gera riqueza para Santa Catarina. Vejo esta região crescer muito e precisamos fazer investimentos”, declarou Carlos Moisés. O governador destacou o Agro Consciente, programa do Estado para incentivar a produção sustentável e responsável na agricultura. “Nossa preocupação não é só com a terra, o ar e a água, mas também com a saúde de quem está lá no campo trabalhando, com as pessoas.”

“As flores de amanhã nascem das sementes de hoje”. (Autor Desconhecido)