Por: Quirino Ribeiro | 29/04/2020

Ensinar e aprender em tempos de pandemia, acentuando as diferenças na educação à distância, atividades on line, ensino remoto emergencial, lives, professores com vídeo aulas no Youtube. O que estamos vivendo é a reinvenção da educação escolar em tempos de pandemia mundial. Uma situação inesperada que evidenciou as desigualdades em diversas áreas: econômica, social e principalmente educacional.

AS ESCOLAS PARTICULARES

Estão de diversas formas tentando organizar uma proposta pedagógica de aulas remotas: vídeos, explicações, atividades, sem alteração curricular, mas adaptando as práticas pedagógicas e os materiais didáticos, para isso contando com as famílias como grandes aliadas para a execução das atividades em casa, preservando a manutenção da rotina escolar de uma maneira diferenciada.

O ISOLAMENTO SOCIAL

Provocado pela pandemia do Covid-19 suspendeu as aulas presenciais de cerca de 15 milhões de alunos do setor privado da educação brasileira. É um momento crítico na história e, para superá-lo, será necessária a união de todos. Pais, professores, funcionários, escolas, faculdades, centros universitários e universidades precisam caminhar juntos em direção ao mesmo objetivo: tornar o menor possível o impacto da paralisação na vida de alunos.

A ESCOLA PÚBLICA

No entanto, vive outro cenário: calendário suspenso, alunos sem atividades por não ter acesso à internet, professores sem formação e recursos materiais para atuar diante da situação inesperada que vivenciamos. Um grande impacto no ensino público brasileiro, quando Prefeitos e Governadores determinaram a suspensão das aulas nas redes públicas e privadas, com escolas fechadas, alunos em casa, conteúdo curricular deixado para trás. Além de afetar a saúde pública e a economia, covid-19 deve ter graves consequências para a educação, afetando o calendário e a qualidade do ensino.

SEM UMA COORDENAÇÃO NACIONAL

Que apresente diretrizes condizentes e coerentes para organização das atividades escolares, a escola pública de educação básica está ficando no vazio. Isto mostra uma situação triste e preocupante: o fosso entre o ensino público e particular, em específico na educação básica. Espero que ações planejadas e assertivas sejam elaboradas em breve para que a escola pública se fortaleça e possa encontrar possibilidades de atuação diante da atual situação de modo a garantir os direitos legais das crianças em idade escolar.

O QUE O SETOR PRECISA

Nesse delicado momento, é que nossas autoridades da educação, encontrem as soluções próprias de enfrentamento da crise pandêmica. Unidos, vamos trabalhar em prol da saúde coletiva e do futuro da educação acessível e de qualidade. Vamos juntos vencer este desafio mundial, sem, no entanto, deixar de lado a escola pública, e nossa juventude que é fundamental para o reerguimento do Brasil.

ENSINO À DISTÂNCIA PARA AS COOPERATIVAS

O cooperativismo brasileiro é, sem dúvidas, um expert em sobreviver a tempos de crise. E não será diferente desta vez. O novo cenário imposto pela pandemia tem trazido à tona projetos para manter o funcionamento e o desempenho de nossas cooperativas.

 

É o caso da plataforma de ensino à distância Capacitacoop, lançada na semana passada pelo sistema OCB. Construída com base nas experiências já existentes de algumas unidades estaduais, a ferramenta que reúne cursos e vídeos para aprendizagem em temas diversos já está disponível para acesso de todos.

DURANTE O LANÇAMENTO

Realizado por web conferência com representantes de todas as unidades estaduais do Sistema OCB, o presidente Márcio Lopes de Freitas reforçou a importância da ferramenta neste período. “Vivemos um momento de incertezas, e isso pode significar bons desafios”. O investimento feito pelo Sistema OCB será repassado inteiramente sem custos para as unidades e cooperativas brasileiras, que terão livre acesso à ferramenta podendo, inclusive, inserir cursos de seu interesse. (Fonte: OCB).

“Os homens erram, os grandes homens confessam que erraram”. (Voltaire)