Por: Quirino Ribeiro | 20/01/2020

Este ano de 2020 promete. As eleições municipais serão termômetro de qual será o novo momento político do País após a segunda metade desta década apresentar o tombo da esquerda, de parte do centro e a ascensão das forças de direita, culminando com inusitada vitória de Jair Bolsonaro. Nas urnas saberemos se o eleitor continua progredindo ou vai querer retroagir a passado nebuloso e incrédulo.

ANO DE TRABALHO E ENTREGA À POPULAÇÃO

Novo ano se inicia repleto de oportunidades. Mais um ciclo de muito trabalho e dedicação. O ano de 2020 será movimentado em todas as cidades do Brasil. Período para gestores e profissionais que atuam na área pública reforçarem seus esforços na proposição e realização de ações para melhorar a vida da população com o principal compromisso de manter a qualidade dos serviços essenciais, assegurando dignidade e bem-estar da população.

ANO NOVO, VIDA NOVA

Com crise ou sem crise podemos mais! Mais otimismo e menos pessimismo. Mais compreensão, menos repúdio e vingança. Mais seriedade, menos falcatruas. Mais ética e menos imoralidade na política. Mais colaboração, menos egoísmo. Mais humildade e menos orgulho. Mais verdade e menos mentira. Mais relevância, menos ignorância. Mais paz e menos agressão e guerra. A transformação não se dará por regras, leis, medidas provisórias, decretos, fatos ou fakes, mas pela consciência de cada cidadão, que, de acordo com sua opinião, sua visão e seu interesse, cederá, ou não, para o bem comum.

O ANO DE 2020

Será intenso de trabalho tanto no governo federal quanto nos Estados e municípios. Teremos eleições municipais e a chance imperdível de promover renovação total na política nas mais de 5.500 cidades. Será momento de mostrar que o brasileiro cansou da velha forma de fazer política e buscar renovação no Executivo e Legislativo municipal.

DESSERVIÇO DO STF

STF, que o povo chama nas ruas de “vergonha nacional”. Liderado por um ex-serviçal do bandidaço Zé Dirceu (Dias Tóffoli) que, aliada ao que de há de pior no Judiciário, tanto quanto ao famigerado Congresso Nacional, buscam proteger os bandidos da coisa pública que já estão na mira da Justiça e blindar aqueles que brevemente serão chamados para responder pelos seus crimes contra a Nação Verde e Amarela, como por exemplo, os tais de Renan, Barbalho, de Jucá, Lula, Botafogo, Maia, etc., etc., etc.

E O PIOR!

Lograram impor à nossa sociedade o completo e petulante desvirtuamento e engavetamento, pelo Congresso, da: 1) proposta do Ministério Público Federal relativa às 10 medidas para o combate à corrupção e à impunidade; 2) a lei do abuso de autoridade; 3) a calhorda mudança da posição do STF em relação à prisão em 2ª instância; 4) a acintosa desfiguração do projeto de Moro de combate à corrupção e ao crime organizado, com único e nítido objetivo salvar das garras da lei e manter impune os “donos do poder” que causaram ao Brasil, nas últimas décadas, tanta desgraça e infelicidade.

EM UM PAÍS

Onde a grande chaga do Judiciário é sua perversa lentidão – berçário de toda impunidade – está sendo criada tanta dificuldade para concluir um processo crime que, mesmo se um dia a Nação viesse a alcançar a instituição da prisão em 1ª instância, por causa deste verdadeiro “Inquérito dos Demônios”, será praticamente impossível meter alguém no xilindró.

“O funcionário público e o político são empregados do povo… Respeitem o patrão”!