Por: Quirino Ribeiro | 29/01/2021

A Eppendorf, multinacional alemã, fundada em 1945, em Hamburgo possui fábricas nos Estados Unidos e Europa. Conta ainda com mais de 26 subsidiárias em diferentes países. Seu escritório no Brasil opera há 20 anos, atendendo aos mercados brasileiro e latino-americano.  A empresa optou por seguir o modelo de tele trabalho permanente para preservar a saúde dos seus colaboradores. Alguns funcionários remotos da multinacional alemã, já adotam o home office permanente, mas com a pandemia, essa perspectiva para outros setores da empresa se expandiu. 

SEGUNDO ANA PAULA AUKAR

Diretora de operações da empresa no Brasil e América Latina, pensando a médio e longo prazo, este modelo nos traz inúmeros benefícios: maior tempo disponível para a família, cuidados pessoais, como a prática de atividades físicas; menos tempo no trânsito; ajuste de agenda; maior aprendizado e concentração; melhor definição das prioridades; redução de custos, entre outros fatores.

MODELO OPERACIONAL 

Notamos o aumento na qualidade de vida, menos tempo em deslocamento e aumento da produtividade (foco, concentração dos colaboradores entregando excelentes resultados). Entendemos também que é importante estar junto com a família, e, com esta nova realidade operacional há maior condição de educar o filho desde o preparo da alimentação até o acompanhamento de forma geral. A Eppendorf tem esse compromisso social. 

IMPACTO ECONÔMICO 

Em relação à redução de despesa, houve uma economia. Estamos adotando o modelo de tele trabalho, modelo híbrido de home office e ida ao escritório, cujo percentual maior é em modelo home office. Há economia sim, porém pensamos em oferecer auxílio de luz e internet, com o ajuste de despesas gastas anteriormente em transporte. A ideia seria uma alocação de recursos, em fase de avaliação.

PENSANDO NA SAÚDE MENTAL DAS FAMÍLIAS

Oferecemos, uma vez por mês, desde outubro, o dia da família, no qual o colaborador com filho (s) pode tirar um dia de lazer para estar com suas crianças.

SAÚDE COLETIVA – UM BEM PÚBLICO

Fato que traz importantes implicações para a atual situação de pandemia que vivemos no Brasil e no mundo. Uma vez que a saúde coletiva pode ser vista como um bem público, passa ser necessário um alto grau de coordenação entre as ações individuais e os objetivos da sociedade. O maior desafio para um governo, em um contexto envolvendo bens públicos, é coordenar as ações individuais de modo a obter resultados que sejam satisfatórios para a sociedade como um todo.

VACINA TRÍPLICE

Estudo preliminar indica que vacina tríplice viral diminui pela metade o risco de ter Covid-19 sintomática. Os 430 voluntários da área da saúde vacinados com a tríplice viral tiveram redução de 54% de chance de ter sintomas de Covid-19, enquanto o risco de serem internados caiu para 74%. Esses são os dados de uma pesquisa que está sendo realizada pelo Centro de Pesquisa do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc). 

A TRÍPLICE VIRAL

Como é conhecida a vacina MMR, que age contra sarampo, caxumba e rubéola, usa micro-organismos vivos e atenuados. Vários estudos têm demonstrado que esse tipo de imunizante apresenta uma excelente resposta imunológica a vários outros agentes, a chamada imunidade heteróloga. Desde julho, os pesquisadores catarinenses estão estudando o seu efeito na prevenção e na severidade da Covid-19, causada pelo novo coronavírus.