Por: Quirino Ribeiro | 21/01/2020

A ser aberta em março é mera formalidade, pois os acordos já estão em curso; deixar para a última hora é temerário. A política tem um timing próprio, mas os atores precisam estar atentos se estão dentro ou fora desse contexto. Como será aberta uma janela em março, na qual poderão ser efetuadas mudanças ou filiações partidárias sem qualquer restrição legal, há os que entendem que é preciso esperar para ver como ficará o quadro partidário.

DEIXAR PARA DEPOIS PODE SER UM RISCO

Uma vez que as conversações para formação de chapas e definição de candidaturas majoritárias estão em curso. A maioria dos pré-candidatos já sabe para onde vai, esperando apenas o prazo formal para assinar a ficha. Por isso, quando se diz que a janela será definidora de acordos, trata-se apenas de uma estratégia. Os acordos já estão sendo fechados. Nos bastidores, há conversas avançadas tanto para o voto majoritário quando para o proporcional.

ESSE DEBATE DOMÉSTICO

Não chega necessariamente às ruas, pois o eleitor só vai se manifestar a partir de meados do ano, sobretudo quando começar o assédio dos candidatos, mas, com o incremento das redes sociais, cada vez mais ativas na política, a conversa será outra, não sendo suficiente o velho vou fazer ou conte comigo. Será preciso melhorar o discurso e adequá-lo aos novos tempos.

A SOCIEDADE ESTÁ CADA VEZ MAIS ASSERTIVA

E tem uma extensa agenda, que não passa apenas pelo buraco na rua ou pela vaga na creche. O tráfego na rede aponta para preocupações em torno de saúde, educação e segurança pública. Esta última, antes restrita ao estado e à União, tornou-se, também, uma agenda do município, implicando, pois, o envolvimento dos candidatos nessa discussão. O eleitor quer saber também o que lhe é reservado para o futuro.

CHAPECÓ POR EXEMPLO

É referência para mais de 200 municípios e cerca de dois milhões de habitantes. Somos um polo regional nos mais diversos setores, da educação à saúde, do empreendedorismo à geração de empregos, da produção rural ao desenvolvimento de novas tecnologias. Precisa avaliar as metas dos candidatos e suas possibilidades, com propostas que envolvam sua capacidade de atrair novos investimentos.

AINDA HÁ MUITO A SER TRILHADO

Mas, nesse momento de articulações para formação de chapas, os partidos precisam avaliar o seu potencial e sua ligação com as ruas. O jogo começa a ser jogado.

EXPORTAÇÃO DE CARNES

Santa Catarina tem o melhor desempenho da história, com o mercado internacional aquecido. Os principais mercados para carne de frango são Japão, China e Emirados Árabes. Para 2020, a expectativa é que se tenha resultados significativos nas exportações de carne suína, já que a produção chinesa segue sendo seriamente impactada pela peste suína africana.

CARNE SUINA

De janeiro a dezembro de 2019, o estado bateu o recorde histórico com as exportações de carne suína. Foram 411,3 mil toneladas embarcadas, gerando um faturamento de US$ 856,6 milhões, um aumento de 31% em relação ao ano anterior. Santa Catarina é o maior produtor nacional de suínos e a produção baseada na agricultura familiar tem alcançado os mercados mais exigentes e competitivos do mundo.

A CARNE DE FRANGO

É o principal produto exportado por Santa Catarina. De janeiro a dezembro foram 1,2 milhão de toneladas vendidas para o mercado externo, com um faturamento que passa de US$ 2,2 bilhões. Santa Catarina teve o segundo melhor resultado da série histórica em 2019 e comemora as conquistas do setor.

ALÉM DISSO, EM 2019

Santa Catarina exportou 3,7 mil toneladas de carne bovina; 15,6 mil toneladas de carne de perus e 3 mil toneladas de patos e marrecos.

 

“Não se pode criar experiência. É preciso passar por ela”. (Albert Camus)