Por: Quirino Ribeiro | 02/03/2020

É comum dizer que o ano só começa depois do carnaval. E este não será diferente. Necessárias e importantes discussões devem começar nas cidades, em que tudo acontece. Os grupos empresariais, a despeito de traçarem suas estratégias no exercício anterior, só agora começam a programar seus projetos, todos convencidos de que 2020 será bem melhor do que os anos anteriores.

HÁ UMA ELEIÇÃO PELA FRENTE

E, mesmo sendo municipal envolve processos que repercutem em outras instâncias, sobretudo por sinalizarem, também, a postura das ruas e suas antecipações para 2022. Como tudo começa nas cidades, elas são estratégicas em qualquer discussão. A infraestrutura é o ponto de referência, por ser uma demanda que o setor produtivo tem sempre em sua agenda.

O PAÍS AINDA TEM UM LONGO CAMINHO PELA FRENTE

Como apontam os próprios empresários. Vários investimentos são interrompidos e parados no papel pela ausência de base para sua execução. O futuro político da cidade entrará na pauta dos candidatos tanto a uma vaga na Câmara dos Vereadores quanto à cadeira de prefeito, mas o espaço de discussão não se esgota na instância política.

COMO O ANO COMEÇA AGORA

Outros segmentos devem ser instados a avaliar o mercado, até mesmo para elaborarem uma agenda a ser encaminhada aos candidatos. Não dá para ficar em silêncio e reclamar depois. Não dá para falar no crescimento isolado de Chapecó, deixando seu entorno à míngua. Uma região forte e rica em investimentos é o desejo comum, pois todos ganham.

CORONA VIRUS

Preocupante, cada dia chegando mais perto de nós. Semana passada Passo Fundo registrou um caso. O Ministério da Saúde contabiliza 132 casos suspeitos de infecção por coronavírus, mas já projeta cerca de 300 suspeitas, a partir de notificações que ainda estão sob análise. O número oficial pode ser ainda maior. Temos que evitar aglomerações e seguirmos normas que temos tudo de cor e na ponta da língua. Então, por que nem sempre nem todo mundo pratica?

APRENDEMOS

Com nossos avós, pais e médicos que para evitar que vírus ou bactérias se instalem em nosso organismo é necessário fortalecermos nossa imunidade. Sendo assim, aqui algumas dicas de hábitos que se faz urgência praticarmos.

ALIMENTAÇÃO/HIGIENE

Nos alimentarmos com comidas fortes e de verdade: arroz, feijão, carnes, ovos, peixes, vegetais e frutas; evitarmos embutidos e comidas de rua. Quem tem condições, tomar todos os dias uma dose forte de vitamina C. A higiene é outro aliado: mantermos nosso corpo e nossa casa limpos, desinfetados e ventilados. Tirar os sapatos quando chegarmos em casa e lavarmos as mãos de hora em hora e não irmos a postos de saúde ou hospitais sem necessidade. Resfriou? Tome chá, sucos naturais e muita água e repouse. Fique atento e evite ao máximo, lugares superlotados e procure evitar ar-condicionado. Cuide-se!

CHAPECÓ ADERE À CAMPANHA DE PROTEÇÃO E VALORIZAÇÃO DO AGRONEGÓCIO

Quem desembarca no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso fica surpreendido com materiais de divulgação sobre os riscos da entrada de pragas e doenças que podem ameaçar a saúde dos animais e lavouras catarinenses. A ação é resultado da parceria entre a iniciativa privada e o Governo do Estado, com o apoio de Municípios, para orientar a população sobre as regras para transportar animais, vegetais, sementes e mudas, além de produtos de origem animal e vegetal.

RICARDO DE GOUVÊA

Secretário da Agricultura, da Pesca e Desenvolvimento Rural, se manifestou: “Santa Catarina mais uma vez sai na frente na proteção do agronegócio. Elaboramos um programa em que visamos orientar turistas e catarinenses para que não tragam alimentos, sementes e mudas de plantas, que possam trazer qualquer tipo de doença para o estado. Nós temos um rebanho de animais extremamente suscetíveis a várias doenças, além de uma produção vegetal livre de pragas. Não podemos deixar que nada coloque em risco o agronegócio catarinense, a produção e o desenvolvimento dos produtores e da economia do nosso estado”.

“Nós somos aquilo que fazemos repetidamente; a excelência, então, não é um ato, mas um hábito”.  (Aristóteles).