Por: Quirino Ribeiro | 13/12/2019

A regra é simples. Se o dinheiro é público, a informação sobre seu gasto também tem de ser. Porém, enquanto não houver uma mudança drástica de cultura no sentido de pressionar os poderes constituídos não haverá postura muito diferente dos ocupantes de cargos públicos.

UM PAÍS

Que prima pela honestidade e pelo bom uso do dinheiro público precisa ter órgãos fiscalizadores fortalecidos e independentes para dar conta de tantos absurdos que acontecem nas sombras do poder. Afinal, quando se peca tanto na transparência, é porque ainda há muita coisa que se acha mais conveniente esconder, e não apenas por causa de corrupção.

ACESSO ÀS INFORMAÇÕES

Para que um dia seja desnecessário brigar para ter acesso a informações que deveriam estar ao alcance de todos, ainda há muito chão. Porém, a receita é mais pressão popular e atuação firme dos poderes fiscalizadores constituídos. Por isso é imprescindível também que se invista mais no MP, haja vista que o órgão vem se mostrando o grande adversário da corrupção e dos desmandos com o dinheiro público no Brasil.

GASTOS PÚBLICOS

Obras suntuosas, muitas delas inacabadas, de necessidade duvidosa, dinheiro jogado fora com refeições requintadas são apenas alguns dos exemplos de como o poder público tem que mudar o comportamento. Os tempos são outros, a sociedade está ativa nas redes sociais. Chega de, em muitos casos, um verdadeiro ralo do dinheiro oriundo de impostos.

AINDA O FUNDO ELEITORAL

Isso é absurdo! É zombar de nós. É simplesmente imoral! Mas digo que não mudará porque nós não fazemos nada, ficamos assistindo a eles fazerem o que querem. Nós só reclamamos, mas não agimos. Vejamos o exemplo de países vizinhos, e não estou dizendo de vandalismo, mas de protestos gigantescos e pacíficos.

ENQUANTO O ‘GIGANTE’ ESTIVER DORMINDO

Ou melhor, como vi em rede social o comentário de alguém muito influente em nossa vida pública, ‘o gigante não está dormindo, está em coma profundo’, eles vão fazer o que lhes interessa. E o povo? Ah, o povo aceitará. Afinal, foi o povo que os colocou lá. Lamentável!

BOA NOTÍCIA!

Notícia boa que vem da Itália: a Justiça confirmou a sentença de prisão perpétua para o terrorista Cesare Battisti, integrante da facção criminosa Proletários para o Comunismo, que matou pequenos empresários, donos de padaria, donos de açougue e aleijando outros em nome de ideologia que nasceu morta, em 1917.

CESARE BATTISTI

É o mesmo que, no Brasil, foi chamado de ‘o último resistente ao fascismo’, ‘o paladino da Justiça’, ‘perseguido pelo governo italiano por motivos políticos’ e outras baboseiras que a inteligência impede de mencionar. Ficou no Brasil mais de dez anos, às nossas custas, graças ao trio Da Silva, Amorim e Genro. Tudo isso é reflexo da falta de leitura do nosso povo, que acredita em tudo.

NA CONTRAMÃO

É estarrecedor e deprimente a situação do ensino no País, que continua andando de marcha ré, na contramão da história na questão da educação, o que nos coloca em situação vexatória frente a outros países mais pobres e menos desenvolvidos. O fato é que mais uma vez passamos vergonha com os resultados do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes).

OS NÚMEROS REVELARAM

As nossas deficiências e, pior, a estagnação do ensino no Brasil. Na última década, além de não ter evoluído e mostrado melhora nas três habilidades medidas (leitura, matemática e ciências), o Brasil mais uma vez ganhou triste destaque pela quantidade de adolescentes que não atingiram o desempenho considerado mínimo pela organização do exame. É lamentável, pois sabemos que todos deveriam ter mais chances de crescer na vida. Cabe aos Estados e municípios buscarem avanços urgentes na qualidade de ensino e no combate à evasão escolar.

“A falta de transparência resulta em desconfiança e um profundo sentimento de insegurança”. (Dalai Lama)