Por: Jornal Sul Brasil | 27/10/2020

A criança tem o direito de ser feliz, de ser valorizada, respeitada e amada. Ela passa a maior parte do tempo na escola, que por sua vez desempenha sua função social proporcionando à criança um ambiente feliz, acolhedor e amável.

Por conta da pandemia do novo Coronavírus, no entanto, as escolas em todo o Brasil permanecem fechadas e a Escola Básica Municipal Dilson Cecchin, do Bairro Santo Antônio, não foi diferente!

Todo esse longo período de isolamento fez aumentar esse sentimento de saudade e afeto por este espaço que está permeado de muitos significados. Pensando nesta questão dos alunos e do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental por meio de seus responsáveis visitaram o espaço da escola bem como rever seus professores, a equipe de gestão escolar.

O grupo de professores planejou uma semana diferente para que fosse possível promover este reencontro. A ideia era realizar uma rápida visita a escola e aproveitar o momento para que a família e alunos possam interagir com professores.

Na oportunidade cada criança trouxe um bilhete que foi nomeado de “Bilhete das Emoções”. Esse bilhete foi colocado em uma árvore preparada na área coberta da escola. Na mesma oportunidade os alunos receberam de seus professores um livrinho com mensagens de otimismo, carinho e afeto juntamente com uma cestinha de guloseimas para ser degustada em suas casas.

Estes momentos foram importantes para os alunos mesmo em tempo de pandemia, pois trazem às crianças a experiência de convívio e experimentação, além do respeito no cuidado com a saúde do outro, essenciais para a formação. A instituição de ensino não é apenas lugar voltado para o aprendizado formal. Propondo experiências sociais como esta, a escola torna-se palco do desenvolvimento da criança. Assim, elas aprendem a dividir, trabalhar em equipe, se colocar no lugar do outro, no cuidado com sua saúde e da saúde de todos a sua volta. É uma formação de como se portar no mundo em tempos diferentes de convívio social.

De acordo com a secretária de Educação,  Sandra Maria Galera, “atividades como esta demostram para as crianças as novas formas de convívio social, estimulando o respeito para si e com o outro, no diálogo, na compreensão mútua, resolvendo seus conflitos e compreendendo melhor suas ações”.