Por: Jornal Sul Brasil | 06/11/2020

Entre os dias 26 e 27 de outubro, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom) recebeu o restaurador Idemar Ghizzo para realização de ações de restauro de documentos históricos e peças arqueológicas. As atividades são resultado dos projetos ‘Patrimônio material documental e arqueológico do Oeste catarinense: restauro e conservação do acervo do Ceom/Unochapecó’ e ‘Memória Cartográfica: preservação e difusão dos mapas da colonização de Chapecó’. O primeiro foi contemplado pelo edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, no ano de 2019, e o segundo pelo edital de Linguagens de Chapecó, no ano de 2020.

As atividades realizadas no acervo arqueológico foram voltadas à reintegração de peças cerâmicas, vasilhas utilizadas como urnas funerárias. A técnica em educação patrimonial, Aline Bertoncello, explica que estes vasilhames são achados arqueológicos da cidade de Itapiranga (SC), que foram escavados em 2019 pelos pesquisadores Mirian Carbonera e Daniel Loponte. Depois do trabalho, os objetos serão expostos no museu de Itapiranga, em uma exposição elaborada pela própria equipe do Centro.

Já as atividades realizadas no Centro de Documentação e Pesquisa (Cedoc) fazem parte do trabalho de conservação curativa do acervo cartográfico do Ceom. De acordo com o documentalista e proponente do projeto, Ademir Miguel Salini, as atividades desenvolvidas visam estabilizar a degradação dos mapas históricos, prolongando a vida destas importantes fontes documentais, garantindo, assim, o acesso às gerações futuras.

A coordenadora do Ceom, professora Mirian Carbonera, destaca ainda a importância destas ações para a preservação dos bens arqueológicos, já que duas das peças restauradas estavam completamente fragmentadas. “O restauro objetiva também prevenir futuros danos e desintegrações no caso dos documentos históricos. Além disso, o trabalho é importante porque além de preservar os bens patrimoniais, estendem seu tempo de vida para que toda a comunidade pode usufruir”.