Por: Jornal Sul Brasil | 25/08/2020

O município de Chapecó chega aos 103 anos de fundação em clima de enfrentamento da pandemia do coronavírus. Essa grave situação de crise sanitária mundial, entretanto, não mancha a trajetória de trabalho, investimentos e empreendimentos que notabilizou Chapecó no Brasil e no exterior.

A comunidade chapecoense organizou-se, desde os primeiros sinais de que uma pandemia surgia no horizonte, para que o Poder Público contasse com a efetiva cooperação de todos os segmentos. O objetivo era angariar recursos para reequipar com rapidez as Unidades de Terapia Intensiva, preparando-as para a imensa demanda que surgiria com a disseminação da Covid-19 em todas as regiões do País. A campanha Salve Vidas desenvolvida pela ACIC permitiu obter mais de 1 milhão de reais que viabilizaram a aquisição de quase duas dezenas de equipamentos vitais para a UTI do Hospital Regional do Oeste, o maior nosocômio filantrópico de Santa Catarina.

Menciono a ação da ACIC – entre outras dezenas de ações que a sociedade civil organizada desenvolveu e ainda desenvolve para colaborar com o Poder Público nessa grave questão de saúde pública – apenas por um motivo: realçar uma importante característica do chapecoense. Essa característica é a capacidade de cooperação, de mobilização em favor de causas sociais, de empatia, de solidarizar-se, de subordinar seus interesses particulares aos superiores interesses da coletividade.

Esse peculiar aspecto comportamental está presente em todo o processo de desbravamento, ocupação e desenvolvimento de Chapecó, desde sua criação em 1917. Exibiram e exercitaram essa característica todas as etnias que aqui instalaram e protagonizaram os sucessivos ciclos econômicos, desde a exploração da madeira e da erva-mate até – atualmente – a moderna agroindústria, centro de serviços à saúde, polo comercial, educacional e de pesquisa científica.

A vocação para o trabalho e o empreendimento presidiu todas as fases do processo histórico de desenvolvimento econômico e, mais recentemente, refletiu no crescimento do setor de empresas de base tecnológica.

Isso tudo revela que Chapecó está sintonizado com as mudanças e transformações dos novos tempos, reagindo às soluções distópicas que a todo momento surgem, mas, também propondo inovações disruptivas que estão na base dos saltos de crescimento e inovação que as disrupções oportunizam.

Vários rankings confirmaram que este é um dos melhores lugares para trabalhar, investir e viver. Por isso, Chapecó continua a atrair talentos humanos para suas empresas e universidades, e capitais financeiros para empreendimentos produtivos.

Em seu 103º aniversário, Chapecó continua jovem e motivado, atual e inovador, palco de importantes projetos de investimentos e protagonista ativo de novos capítulos que ainda estão sendo escritos dessa história de sucesso.

Parabéns Chapecó! Muitas realizações!