Por: Jornal Sul Brasil | 1 mês atrás

A Associação de Cinema e Vídeo de Chapecó e Região (Cinelo) inicia, nesta segunda-feira dia 6, a Mostra Cinelo, que promoverá exibição online de filmes. O evento tem como objetivo levar ao público produções feitas em Santa Catarina ou por catarinenses. Todo mês, durante uma semana, um filme ficará disponível nas redes sociais da Cinelo. Para fechar a exibição, na sexta-feira será feito um bate-papo no vivo no Instagram @cinelo_cco. Nesta primeira edição, o filme Copacabana Mon Amour, do diretor joaçabense Rogério Sganzerla, ficará disponível até o dia 10 de julho.

“Santa Catarina possui uma rica produção cinematográfica, tanto antigamente quanto hoje em dia, mas muitas vezes há dificuldade do público acessar essas produções. Por exemplo, aqui em Chapecó, até mesmo grandes filmes nacionais, dificilmente entram em cartaz no cinema. Então, aproveitando esse momento de pandemia e distanciamento social, decidimos lançar esse projeto para incentivar as pessoas a assistir o que é criado no nosso estado, ou por nossos conterrâneos”, destacou Augusto Zeiser, coordenador-geral da Cinelo.

Rogério Sganzerla, de Joaçaba para a história

Rogério Sganzerla nasceu em Joaçaba em 1946, com 16 anos partiu para São Paulo e se tornou um dos maiores cineastas da história do Brasil, símbolo do Cinema Marginal da década de 60. Em sua carreira, produziu mais de 20 filmes entre ficções, documentários, curtas e longas-metragens, sendo seu filme “O Bandido da Luz Vermelha” considerado um dos 10 maiores filmes brasileiros de todos os tempos. Faleceu em 2004, aos 57 anos de idade, em São Paulo.

Copacabana Mon Amour conta a história de Sônia Silk, que circula por Copacabana, no Rio de Janeiro, com o grande sonho de ser cantora da Rádio Nacional. Ela é irmã de Vidimar, empregado apaixonado pelo patrão, o Dr. Grilo. Sônia Silk vê espíritos baixarem em seres e objetos e procura o pai-de-santo, Joãozinho da Goméia para livrá-la desta aflição.

“É uma grande honra iniciar a Mostra com um filme de Sganzerla, certamente o maior cineasta catarinense e uma grande inspiração para todos nós. Alguém que saiu daqui do Oeste, ainda nos anos 1960, e que nos mostra que é possível produzir cinema vindo do interior. Temos que ressaltar, e agradecer, a parceria da Mercúrio Produções que detém os direitos da obra de Sganzerla e liberou o filme para a exibição”, ressaltou Zeiser.

O filme ficará disponível até o dia 10 de julho através do endereço https://vimeo.com/116480872, a senha de acesso é 2020, a classificação indicativa é de 16 anos. Nesse mesmo dia, às 19h, ocorrerá o bate-papo sobre a produção no Instagram da Cinelo,@cinelo_cco. A conversa contará com a presença de Gabi Bresola, artista, produtora, editora, Diretora de Acervo da Cinemateca Catarinense e, igual a Sganzerla, natural de Joaçaba. A mediação será feita pelo coordenador-geral da Cinelo Augusto Zeiser.