Por: Jornal Sul Brasil | 13/04/2020

Na noite do domingo dia 12, na Rua Bolívia,  no bairro Líder, uma guarnição PM, durante rondas pela região norte da cidade, se deparou com um motociclista apavorado, o qual informou que havia ouvido um disparo de arma de fogo, que este teria sido efetuado por um dos ocupantes de um GM/Corsa Classic, que aparentemente seria um táxi.

Esse cidadão nem chegou a se identificar e saiu do local, no mesmo momento a guarnição viu o referido veículo uma quadra a frente, seguindo direção leste pela Rua João Cruz e Souza e imediatamente realizou a abordagem.

O veículo, que realmente era um táxi, estava ocupado por três homens, sendo o condutor de 53 anos, o passageiro do banco da frente 25 anos e o passageiro do banco de trás também de 25 anos, os três foram revistados e não estavam portando nada ilícito.

Porém, em revista no interior do GM Corsa Classic foi localizado um revólver, calibre 38, da Marca Rossi, com acabamento inox, com cinco munições intactas e uma deflagrada, essa arma estava no assoalho, na parte traseira do veiculo, embaixo do banco do motorista.

Ao perceberem que a arma de fogo havia sido localizada os dois homens de 25 anos, com grande histórico policial, um deles inclusive em prisão de albergue sem recolhimento, se mostraram agitados com intuito de tentar fugir, mas foram rapidamente algemados, receberam voz de prisão.

Quando foram questionados sobre a propriedade da arma, um dos homens de 25 anos disse que era dele, alegando que a comprou pelo valor de R$ 3 mil no bairro Santa Luzia, com o objetivo fim de vingar a morte de seu irmão e que efetuou um disparo contra o alvo, que seria justamente o motociclista que abordou os policiais no início da ocorrência, o qual deixou o local e não pode ser identificado.

O motorista do táxi, de 53 anos, alegou não saber que os homens portavam uma arma de fogo, que apenas faria uma corrida da avenida Fernando Machado ao bairro Passo dos Fortes. O outro homem de 25 anos disse que não sabia que o companheiro de corrida dele estava armado, que se encontraram na rua, conversaram sobre terem saído recentemente da cadeia e como estavam indo para o mesmo local, resolveram dividir o táxi.

Diante dos fatos, os envolvidos foram conduzidos à Central de Plantão Policial (CPP) de Chapecó, para os procedimentos cabíveis. A Polícia Civil vai apurar os fatos, a relação dos abordados, também, dependendo do que for apurado e se a vítima, alvo do disparo, prestar depoimento podem responder por uma tentativa de homicídio.

O próprio motorista do táxi já tinha histórico policial por violência doméstica, lesão corporal, injúria, dano, vias de fato e ameaça.

Um dos homens de 25 anos, que assumiu a arma e o disparo, possuí cadastro penal ativo, com passagens roubo, receptação, porte ilegal de arma, furto, ameaça, desacato, injúria e estava em liberdade provisória desde o dia 31 de março.

O outro homem de 25 anos também possuí cadastro penal ativo, com  registros policiais por violência doméstica, incêndio, furto, ameaça, receptação, porte ilegal de arma, lesão corporal dolosa, tráfico de drogas e estava em  prisão albergue sem recolhimento desde o dia 19 de março.