Por: Jornal Sul Brasil | 08/07/2020

Subiu neste mês 9,60% o Índice de Confiança do Consumidor Chapecoense (ICC), que é construído pela parceria entre Sicom e o curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. Passou de 54,51 pontos em junho para 59,74 pontos em julho.

Realizada entre os dias 16 e 29 de junho, a amostra foi composta por 90 mulheres e 54 homens de diversas faixas etárias e classes de renda. O aumento do índice de confiança foi puxado pelo grupo dos consumidores que têm renda inferior a R$ 2 mil (27%), acompanhado pelo grupo das pessoas com até 24 anos (17,42%) e em seguida pelas mulheres (9,36%). Em oposição, o único grupo que registrou variação negativa foi o das pessoas com renda superior a R$ 4 mil (-14,67%).

A pesquisa indica aumento no Índice de Condições Econômicas (ICE), em 2,99%, totalizando 59,87 pontos, ante 58,13 registrados em junho. Já no Índice de Expectativas de Consumo houve aumento, de 14,11%, atingindo 59,66 pontos, ante 52,28 de junho. O Índice de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, que permite sondar o nível de obrigações a pagar ou em atraso, apresentou aumento de 11,36%, de 110,98 pontos para 123,59.

 

Expectativas

 

Já quanto a expectativa de gastos extras que era de R$ 393,39 em junho, sofreu redução para R$ 390,72 em julho. Enquanto que a expectativa de gastos pela internet apresentou crescimento pelo terceiro mês consecutivo. Em junho era de R$ 176,46 e em julho passou para R$ 226,13, chegando ao maior patamar desde maio de 2018.