Por: Jornal Sul Brasil | 21/07/2020

Durante o isolamento social, várias profissões tiveram que se adaptar. Não é novidade para ninguém que a tecnologia se tornou muito mais presente em nossas vidas, seja para trabalho ou entretenimento, por exemplo. Mas nas escolas, o desafio foi ainda maior em ministrar o que sempre foi essencialmente presencial, de forma online. Para auxiliar os professores das escolas municipais nesse processo de lidar com as novas tecnologias, durante o mês de julho, um projeto de extensão da Unochapecó está proporcionando uma capacitação para esses profissionais poderem adaptar suas aulas.

O projeto Inclusão Digital Comunitária, por meio dos estudantes bolsistas dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, vai atender mais de 1,9 mil professores da rede municipal de ensino até o fim da capacitação, que encerra no dia 24 de julho. Esta é uma parceria que já existia com a Secretaria Municipal de Educação de Chapecó, e acontecia de forma presencial nas escolas. Mas agora, por conta da pandemia, tornou-se necessário instrumentalizar ainda mais os professores com relação às ferramentas tecnológicas.

Além de beneficiar os professores com novos conhecimentos, essa também é uma chance dos estudantes colocarem em prática o que aprendem nos cursos, já que são eles que ministram as oficinas. Um deles é Leonardo Bays, do terceiro período de Ciência da Computação, que faz parte do Inclusão Digital Comunitária há quase um ano. “Está sendo algo bem legal e divertido. No começo estava com receio de como os professores iriam reagir durante nossas calls, afinal, ainda somos estudantes. Mas eles estão interagindo bastante conosco através do chat ou falando no microfone. No geral está sendo uma experiência de bastante aprendizado também, pois nunca estive do lado como ‘professor’, sempre como aluno”, relata.

As oficinas, ministradas por um ou mais estudantes, têm duração média de duas horas. Entre os assuntos abordados estão, por exemplo, algumas ferramentas do Pacote Office como o Excel, Word e Power Point, e também alguns softwares para gerenciar arquivos, como PDF, DOCX, entre outros formatos. Tudo para que os professores possam utilizar as tecnologias em benefício do ensino.

“Acho bastante válida nossas ações neste projeto, pois muitas destas tecnologias vêm para auxiliar e facilitar nosso dia a dia. Devido a pandemia que estamos passando, algumas rotinas tiveram que ser mudadas de imediato, sem um tempo de adaptação, e para quem não está habituado com isso, certamente vai passar por dificuldades. Então, nossos encontros podem ser muito bem aproveitado por eles, para estarem sanando suas dúvidas e descobrindo novas ferramentas que podem ser úteis em suas tarefas”, ressalta Leonardo.

Adaptação

O coordenador do projeto, professor Sandro Silva de Oliveira, destaca que o retorno dos professores sobre as capacitações vêm acontecendo de forma positiva. Durante as oficinas, eles sempre elogiam o conteúdo trabalhado. “No cenário atual, todos professores precisam fazer uso das ferramentas digitais, o que gera muitas dúvidas. O objetivo é justamente capacitar e esclarecer questionamentos sobre o uso das ferramentas, para que eles possam ministrar aulas de forma remota para seus estudantes”.

A coordenadora do setor de Educação Infantil da Secretaria Municipal da Educação de Chapecó, Sara de Moura, também lembra que agora, lidar com as tecnologias é algo que se tornou normal, e que os professores também precisam se aprimorar para viabilizar uma educação de qualidade e que alcance todas as especificidades da rede municipal.

“Essa capacitação está sendo muito positiva. Os bolsistas que estão mediando as discussões, sob a orientação do professor Sandro, são empenhados, dedicados e extremamente atenciosos com nossos professores. É uma ação de suma importância, e neste momento atípico que estamos vivendo, precisamos incentivar as boas práticas. Sempre tivemos uma parceria com essa Instituição e nesse momento é ainda mais importante poder orientar nossos professores a partir de instrumentos que irão facilitar a vida dele e do aluno, além de minimizar os impactos do distanciamento social nos imposto agora”, completa.