Por: Jornal Sul Brasil | 16/11/2020

A Medicina Preventiva – Espaço Viver Bem – da Unimed Chapecó promoveu, nesta semana, a “Roda de Conversa Novembro Azul”. A iniciativa faz parte da campanha “Cuidado Infinito”, da cooperativa médica. O evento on-line de educação médica continuada foi conduzido pelo médico cooperado e urologista Dr. Paulo Caldas e pelo médico renomado na área Dr. Rafael Coelho, de São Paulo, uma das maiores autoridades mundiais em tumores urológicos e cirurgia robótica. Participaram médicos e estudantes de Medicina que interagiram com perguntas sobre a temática.

O movimento “Novembro Azul” surgiu em 2003 no sul da Austrália com um grupo de jovens que tinha como objetivo arrecadar fundos e promover campanhas de prevenção à saúde do homem. A iniciativa abrange a saúde global do gênero, com ênfase para os pilares de orientações sobre câncer de próstata, câncer de testículo, saúde mental e prevenção de suicídio. “Iniciativas como essa são fundamentais para atingir a população e para educar a classe médica sobre os reais propósitos da campanha, que são mais amplos do que o exame PSA (Antígeno Prostático Específico) ou toque retal”, argumentou Dr. Rafael.

Entre os temas abordados, segundo Dr. Paulo, estiveram rastreamento do câncer de próstata, métodos diagnósticos, exames complementares, indicações de tratamento, vigilância ativa e cirurgia robótica na urologia. Em relação ao diagnóstico precoce do câncer de próstata, Dr. Rafael destacou as novas recomendações para rastreamento, bem como métodos diagnósticos auxiliares, a exemplo da ressonância magnética.

“Muitos estudos geraram discussões, enquanto outros caíram em descrédito, por isso a recomendação é definir em conjunto com o paciente. Atualmente não existe recomendação de rastreamento pelo Ministério da Saúde muito menos pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca)”, argumentou Dr. Rafael. Para Dr. Paulo, os benefícios do rastreamento são maiores ao longo prazo e ao analisar expectativa de vida e as comorbidades pré-existentes no paciente. “Utilizamos bastante o valor da ressonância magnética no processo pré-biópsia, o que aumenta a precisão diagnóstica, amplia o índice das doenças insignificantes e reduz as biópsias”, complementou.

De acordo com Dr. Rafael, a evolução dos métodos de pré-biópsia melhora a sobrevida do paciente e a vigilância ativa aliada aos métodos mais extrativistas reduzem o super diagnóstico ou super tratamento. “Desta maneira, salvamos vidas, reduzimos a mortalidade e minimizamos os malefícios do tratamento prolongado”, frisou ao reforçar a importância do cuidado global da saúde do homem e de realizar consultas periódicas ao urologista na busca de diagnósticos precoces.

O câncer de testículo representa apenas 2% das neoplasias nos homens, tem baixa mortalidade e é altamente curável. Com diagnóstico precoce é realizado cirurgia e evita-se quimioterapia e sequelas do tratamento. O grupo de risco compreende homens entre 15 e 35 anos e alguns subtipos de 35 a 50 anos – quando possuem histórico familiar ou quando o testículo não atinge o tamanho ideal. “Os homens precisam fazer o autoexame do testículo para identificar nódulos palpáveis e indolores na região”, explicou Dr. Rafael. 

Por fim, Dr. Rafael comentou que a laparoscopia ou a cirurgia aberta diminuiu consideravelmente em São Paulo. “A cirurgia robótica está bem disseminada, é um método que pode proporcionar uma qualidade cirúrgica melhor e de preservação incomparável, seja para casos mais complexos ou para minimizar os reflexos negativos”, comentou ao complementar que a expansão da cirurgia robótica é inevitável.