Por: Jornal Sul Brasil | 02/04/2020

A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc adotou uma série de medidas para manter as atividades durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), sobretudo na área de segurança dos alimentos de origem animal.

Com o propósito de garantir a segurança dos alimentos de origem animal produzidos e comercializados em solo catarinense, tais como leite, ovos, pescados, carne, mel e derivados, o Serviço Estadual de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SIE/POA) segue atuando nas 505 agroindústrias cadastradas neste Serviço.

De acordo com o gestor do Deinp, médico veterinário Jader Nones, atuam no Departamento Estadual de Inspeção de Produtos de Origem Animal – Deinp, além de 40 médicos veterinários da Cidasc, 220 médicos veterinários habilitados, vinculados à 13 empresas credenciadas e mais de 80 médicos veterinários vinculados à Cidasc por meio de convênios firmados com prefeituras.

Durante o mês de março, poucos estabelecimentos de produtos de origem animal nas áreas de carnes e produtos cárneos, leite e produtos lácteos, mês e produtos apícolas, ovos e pescado e seus produtos derivados comunicaram paralisação de suas atividades.

“No Departamento de Inspeção toda a nossa equipe de profissionais está comprometida e ciente das suas responsabilidades, desempenhando diariamente o trabalho de inspeção nas agroindústrias, para que estas possam produzir e oferecer alimentos seguros à população”, ressalta o gestor, Jader Nones.

Apesar do momento atual dificultar o andamento das atividades, a Cidasc, através do Departamento de Inspeção, está adotando medidas gerenciais para atendimento das demandas internas. “As atividades administrativas que são de competência do Deinp, como análise de projetos de obtenção de SIE, reforma e ampliação, buscando seguir as diretrizes do governo, seguem sendo realizadas no modo home office”, destaca Nones.